• Contato
  • | +5411-47659390 Argentina
  • info@albertocanen.com
  •  
  • | Es
  • | En
  • | It
  • | Fr

O OBSERVADOR

Capitulo 7: O OBSERVADOR

Capitulo 7: O OBSERVADOR Livro O Genesis, o Observador

Contemplando a Criação

Relato ficcional que poderá ajudar a compreender a forma como algumas pessoas recebem as visões e revelações de Deus.

Mesopotâmia
Cidade Semítica
1000 A.C.

Ele retomava o controlo lentamente, o seu controlo, controlo de si próprio, enquanto tomava consciência do que tinha acontecido.
As suas pernas tremeram; a sua mente estava um caos de perguntas que exigiam respostas.
O que é que eu vi? O que me aconteceu? Foi uma alucinação?
Onde estou eu? O rebanho?! Quanto tempo?...
Pensou ele, desesperado e confuso.
Olhou á volta.
As ovelhas! Ali estão elas!
Graças a Deus, Graças a Deus que elas não fugiram!
Ainda é de madrugada ou entardecer?

O dia estava a terminar e ainda havia alguma luz, ele viu que o sol se estava a pôr, mas ainda assim estava confuso.
As suas pernas não o suportaram e ele caiu de joelhos, apoiou as mãos no chão.
Tenho de voltar para casa, tenho de voltar para casa e contar a todos o que me aconteceu.
As imagens do que tinha visto voltaram á sua mente como memorias rápidas. Será que sonhei? Tentou focar-se no que era importante naquele momento. Tenho de voltar para casa, para a minha família, seguro e com o rebanho.
Ele reparou que estava a ficar escuro. Pegou no seu cajado e no agasalho de peles que o mantinha quente. Estou esfomeado. O meu estômago dói de tanta fome - Ele não tinha comido desde que saiu de casa naquela manhã, e o dia já tinha chegado ao fim. Água, água, preciso beber.
Correu até ao ribeiro apenas a uns metros de distância e agachou-se. Tomou uns grandes goles de água, como se fossem os últimos, e sentiu-se melhor. Limpou a boca na manga enquanto se levantava. Sentia-se exausto como se tivesse feito uma corrida. Aos poucos começava a relaxar. Parecia estar tudo em ordem. Reuniu o rebanho e conduziu-o até á cabana onde vivia.
Chegou uma hora depois, despachando-se sob o luar. Guardou o rebanho no curral.

O Elam tinha uma esposa, Misur, e duas crianças, um rapaz de oito anos e uma rapariga de seis.
Assim que ouviram as ovelhas entrarem no curral, as crianças correram para saudar o pai. No escuro, abraçaram-no e Elam pegou Samud ao colo e agarrou a mão do mais velho, Urkis.
- A mãe estava preocupada porque ainda não tinhas chegado - disse Urkis.
Misur já tinha saído de casa para o procurar.
- Marido, aconteceu-te alguma coisa? - a preocupação no rosto de Misur era palpável.
- Oh, minha esposa, vamos para dentro porque tenho que te contar sobre o meu dia. Tens de ouvir o que me aconteceu.
- Foste atacado por algum animal? Estás bem? Estás ferido? Houve algum problema com as ovelhas?...
- Não mulher. Fica calma. Faz-me alguma coisa para comer, por favor, não comi nada o dia todo e estou faminto.
Elam pegou num pedaço de pão e serviu-se de vinho enquanto esperava que Misur lhe preparasse algo para comer. Sentou-se num banco, começou a descontrair e o cansaço tornou-se visível. Inspirou profundamente, inclinou-se sobre a mesa e comeu. Não sabia por onde começar para lhe contar o que tinha acontecido. Misur apressou-o:
- Conta-me, conta-me meu marido.
- Vou contar-te, mulher. Fui, como de costume, para o pasto, ao lado do riacho. Sentei-me numa rocha, naquela de onde consigo ver as ovelhas, tu sabes qual é. O sol começou a subir no horizonte, o ar estava calmo, quase não havia um som, os animais pastavam em absoluta tranquilidade, e um momento depois... Tudo desapareceu.
Estava envolto em escuridão, conseguia perceber que havia algo como um mar no qual eu estava submergido, e à minha volta estava uma grande confusão, como se estivesse tudo misturado. Não conseguia ver onde começava ou terminava. Era como se estivesse no meio de uma tempestade de areia no meio da noite. Sentia-me como se estivesse a flutuar por cima de uma abismo, não via o chão por baixo, e por cima daquele mar eu sentia muito claramente a presença de Deus.
A luz apareceu repentinamente, veio de algum lugar mas não consegui perceber de onde.
A luz gerada moveu-se, passou por cima de mim como o sol faz. E quando estava atrás de mim a escuridão voltou como a noite.
Quando acordei já era entardecer, estava a ficar escuro e não consegui perceber quanto tempo tinha passado....

Veja em Barnes & Noble